Mostrando postagens com marcador Suzanne R. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Suzanne R. Mostrar todas as postagens

29 de julho de 2017

Lady Gallant


Uma Sedutora inocente.

As senhoras do palácio chamavam Nora Becket de "rato". Mas sob as suas maneiras tímidas e sem arte escondia o coração de uma leoa. 
Uma espiã ousada na corte da rainha Maria, ela arrisca sua vida para resgatar um inocente de um destino terrível. No entanto, era Nora que precisava ser resgatada quando os assassinos a atacaram ― quando Christian de Rivers, um espadachim canalha, a arrastou para fora do perigo... e para seus braços.
Um aventureiro corajoso - Magnífico e hipnotizante como um falcão, Christian tanto assusta como excita Nora, mesmo que a persiga com uma paixão que a deixou ansiando ser pega. No entanto, logo descobriria que tinha razão para estar assustada. Pois o atrevido nobre tinha seus próprios segredos para manter, seus próprios inimigos para derrotar ― e sua própria marca de vingança para uma beleza de olhos arregalados a quem ele amava demasiado...

Capítulo Um

Hatfield House, Inglaterra, 1558
As freiras já não andavam com medo por suas vidas como no tempo do velho rei Henrique, e uma delas desviou sua rota em direção ao convento da Mansão Real de Hatfield. Sua trêmula e enluvada mão fechou a porta da capela Hatfield. A freira enfiou a mão para dentro da manga de seu hábito e se virou para o corredor central. Curvado pela idade, disforme por um ombro torto, a velha olhou de soslaio para o único habitante da capela.
Na grade em frente ao altar ajoelhou-se uma jovem mulher vestida em cetim com um capuz preto francês colocado sobre uma cascata de cabelo vermelho-dourado. A freira andou mancando pelo corredor e se ajoelhou ao lado da senhora, cruzou as mãos enluvadas, colocando uma cruz entre elas, e as apoiou na grade. A mulher de cabelos vermelhos manteve o olhar na cruz diante dela. A freira curvou a cabeça em oração e palavras em latim tomaram a capela. A freira espirrou e soltou sua cruz. Seus dedos trêmulos se desenrolaram como se a procurá-la.
Em um movimento rápido, a jovem levou sua mão branca sobre a mão da freira. Dedos longos e afilados agarraram a mão da velha, pegou a luva e a tirou. Despojado de sua cobertura, a mão da freira ficou sob a da mulher. Era maior do que aquela que a aprisionava. Pele suave, dourada e esticada sobre os ossos longos com um anel de sinete de ouro no terceiro dedo.
A freira espirrou novamente, e a jovem riu baixinho.
― Bem feito, Lorde Montfort. Deus castiga por este seu disfarce dando-lhe uma febre.
A freira se endireitou. O ombro torto se endireitou, e o corpo parecia crescer e esticar. Christian de Rivers, Senhor Montfort, filho do Conde de Vasterne, esfregou o nariz coçando-o e olhou para a mulher em torno da borda de seu véu negro.
― Vossa Alteza ― disse ele. Ele baixou a cabeça, então espirrou novamente ― este hábito cheira a mofo.
Princesa Isabel sorriu para ele antes de virar o olhar para o altar.
― Quais são as notícias de minha irmã?
― A rainha está às vezes louca e todo o tempo prestes a morrer.
A princesa respirou, mas ela não disse nada.
Christian estudou a grade do altar. ― Ela desistiu da fantasia de que estava grávida e agora acredita que o inchaço é um edema. Mas ela jura, Sua Graça, que você nunca será rainha, que você é…











Veja vídeo do lançamento
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...